Mensagem

Os artigos veiculados neste blog podem ser utilizados pelos interessados, desde que citada a fonte: GÖLLER, Lisete. [inclua o título da postagem], in Memorial do Tempo (http://memorialdotempo.blogspot.com.br/), nos termos da Lei n.º 9.610/98.

quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

Família Abarno V - Vitor Abarno


Vitor Abarno - Salto, Uruguai - 1906


Vitor Abarno, o sexto filho de Francesco Abarno e Angela Maria Crisonino, nasceu em San Fele, Província de Potenza, Itália, por volta do ano de 1850. Ele era irmão de nosso ancestral Nicola Abarno.


A VIAGEM PARA A AMÉRICA


Os filhos de Francesco Abarno, Feliciana, Maria Emmanuela e Giuseppe, optaram por permanecer na Itália, porém Vitor e os demais irmãos, Nicola e Maria Theresa, decidiram deixar o país de origem para trás e construir uma nova vida na América, sendo que os dois últimos escolheram o Brasil como morada definitiva. O pai Francesco, viúvo de Angela Maria, cruzou o oceano em algumas oportunidades, tendo permanecido durante algum tempo com os seus filhos e netos até o seu falecimento. Segundo o livro Gli Italiani Residenti in Salto – Republica O. Del Uruguay – All’Esposizione di Milano 1906, Vitor Abarno chegou à região do Rio da Prata no ano de 1874, fixando residência na cidade de Salto no Uruguai, onde exercia a profissão de alfaiate (sastre na língua espanhola). 





O CASAMENTO


Foi nesta cidade que ele conheceu a sua futura esposa Manuela Ygnacia Barbita Savia (*22/01/1861), de nacionalidade uruguaia, filha de Fernando Barbita (*Itália/+1874 Buenos Aires, Argentina) e Segunda Savia (*1827/1828 Itália/+23/02/1886 Salto, Uruguai), com quem teve 14 filhos. Manuela foi batizada em 25/01/1862, na Igreja de Nuestra Senõra Del Carmen na cidade de Salto, Uruguai. Os padrinhos foram Antonio Friay e Manuela Sotelo. Seus avós paternos eram Santiago Barbita e Magdalena Carluccio e os avós maternos Lorenzo e Lucia Savia. Manuela teve uma irmã chamada Magdalena Maria Barbita Savia (*01/03/1863 Buenos Aires Argentina), que se casou com Antonio Nicodeno (*01/03/1859 Lauria, Potenza, Basilicata, Itália), filho de Santo Nicodeno e Maria Teresa Nocera, na data de 03/12/1892, na cidade de Salto.


O casamento civil e o religioso foram realizados na data de 22/11/1879, sendo que a cerimônia religiosa foi realizada na Igreja de Nuestra Senõra Del Carmen na cidade de Salto (Livro 3, fl. 460), tendo como testemunhas Vicente Pierri e Catalina Paschetti. A cerimônia foi realizada pelo Presbítero Don Juan Bautista Aguinaga, com licença do Cura Vigário da Iglesia de Nuestra Senõra del Carmen del Salto Oriental. Depois do casamento, os noivos foram residir na cidade brasileira de Quarai no Rio Grande do Sul, onde nasceu a primeira filha, Angela Maria Abarno.



A Igreja de Nuestra Señora Del Carmen - Salto, Uruguai


No ano de 1881, Vitor viajou para a Itália, para reencontrar a sua família em San Fele, deixando a esposa Manuela, grávida de sua segunda filha chamada Gavina, e a pequena filha Angela Maria aos cuidados da sogra, a viúva Segunda Savia, que residia na Calle Cuareim, nº 62, na cidade de Salto. No retorno, Vitor veio acompanhado de seu pai Francesco e de seu irmão Nicola, conforme relatório de saída da cidade de San Fele, provavelmente através do porto argentino de Buenos Aires. 

Depois de chegarem à América, Vitor, o pai Francesco e o irmão Nicola seguiram para a cidade de Salto, Uruguai, onde Manuela Barbita Savia e a filha o esperavam. Porém, Vitor possuía residência e negócios na cidade de Quarai no Rio Grande do Sul, tendo voltado para lá, acompanhado do pai Francesco e do irmão Nicola. Na certidão de nascimento da filha Gavina Abarno, cujo registro foi feito pela sogra no Cartório de Salto, na data de 24/02/1882, esta declara que o pai Vitor Abarno e o avô residiam na cidade de Quarai. 

Em Quarai, Nicola exerceu a profissão de comerciante ambulante até meados de 1882, quando decidiu fixar residência na cidade de Alegrete RS, estabelecendo-se como comerciante. Conforme o livro Gli Italiani Residenti in Salto, citado anteriormente, Vitor teria vindo morar em Salto neste mesmo ano. No início de 1886, ocorreu o falecimento da sogra Segunda Savia. O pai Francesco provavelmente tenha acompanhado o filho no retorno a Salto, mas ele decidiu voltar à Itália em 1886, ou no início de 1887, para trazer à América a nora Angela Maria de Vico e os netos Maria Antonia e Francesco Antonio, filhos de Nicola Abarno. Eles embarcaram no navio Umberto I, com destino à cidade de Buenos Aires na Argentina, chegando ao porto desta cidade na data de 01/05/1887. Depois da chegada, foram residir na cidade de Salto, na casa de Vitor Abarno.

Naquela época, a sobrinha de Vitor, Maria Antonia Abarno, conheceu Leone de Benedetto, um comerciante amigo de seu tio, que residia em Quarai, cidade onde ambos tinham negócios. O casamento foi realizado na residência de Vitor na data de 03/10/1888. A mãe de Maria Antonia, conforme o registro de seu casamento, residia em Alegrete, possivelmente com o seu irmão menor, Francesco Antonio. Conforme o registro mencionado, além de um relato encontrado de Leone De Benedetto, a noiva Maria Antonia residia na casa de seu tio Vitor, na Calle Guaviyú, na cidade de Salto. Francesco Abarno é referido como o pai adotivo de Maria Antonia, que deu o seu consentimento para o casamento da neta, que tinha apenas 16 anos de idade. A esposa de Vitor, Manuela Barbita Savia, estava grávida de Duílio Fernando Abarno, que veio a nascer em 26/11/1888.

Francesco Abarno retornou anos mais tarde à Itália, pois há notícias de que estava residindo em San Fele no ano de 1893. Francesco voltaria para a América somente em 06/07/1898, com 80 anos, como passageiro do navio Perseo, que atracou no porto de Buenos Aires. A nora Angela Maria de Vico já havia falecido no ano de 1897, em Artigas, Uruguai, sendo sepultada em Quarai. Francesco faleceu antes de 11/04/1901, conforme é declarado no registro de nascimento da neta Lizena Abarno na cidade de Alegrete, porém o seu registro de óbito não foi localizado até o momento.



OS FILHOS


I-Angela Maria Abarno (*04/09/1880 Quarai RS) foi batizada em 20/02/1881, na Igreja de São João Batista de Quarai (Cúria de Uruguaiana, Livro de Batismos, Quarai, nº 4, fl. 43 v). Recebeu este nome em memória de sua avó paterna, Angela Maria Crisonino.



A Igreja de São João Batista - Quarai, Rio Grande do Sul, Brasil


Neste mesmo ano de 1881, Vitor viajou para a Itália, para reencontrar sua família em San Fele, deixando a esposa Manuela, que estava novamente grávida, e sua filha Angela Maria aos cuidados da sogra, a viúva Segunda Savia, que residia na Calle Cuareim, nº 62, na cidade de Salto. No retorno, Vitor veio acompanhado de seu pai Francesco e de seu irmão Nicola, conforme relatório de saída da cidade de San Fele, provavelmente através do porto argentino de Buenos Aires. Vitor seguiu sozinho para Montevidéu e, após, para a cidade de Salto, enquanto que o pai e o irmão seguiram viagem até Quarai. Certamente por necessitar de maiores cuidados, a esposa Manuela permaneceu em Salto até o nascimento da segunda filha chamada Gavina.

Angela Maria casou-se com Cirilo Pedro Quiñones (*09/07/1874 Salto, Uruguai), fazendeiro, filho de Valentin Quiñones (*Uruguai/+1883, Salto, Uruguai) e Juana Quiroga (*Uruguai/+1907 Salto, Uruguai), na data de 24/04/1910, em Salto Uruguai. Cirilo residia na Calle Arapey nº 157. Testemunhas de casamento: José Lombardo e Luis Dondo (Registro Civil, Seção 1, Ata de Casamentos Ano 1910, Reg. nº 7, Salto Uruguai). O casamento religioso foi realizado na Igreja de Nuestra Señora del Carmen (Reg. nº 531).




Casa que pertenceu à Angela Maria Abarno e família, na Calle Maldonado, nº 1.714, Montevidéu, Uruguai – Imagem: Google Maps

O casal teve pelo menos os seguintes filhos: 

I-1-Maria Socorro Quiñones Abarno (*15/08/1914 Montevidéu, Uruguai);

I-2-Victor Alfonso Marcos Quiñones Abarno (*07/10/1916 Montevidéu, Uruguai).



II-Gavina Abarno (*19/02/1882 Salto, Uruguai) foi registrada pela avó materna em 24/02/1882. Esta declarou que o pai Vitor Abarno estava residindo e trabalhando na cidade de Quarai RS. Declarou também que o avô paterno, Francesco Abarno, residia nesta cidade (Registro Civil, Seção 1, Ata de Nascimentos Ano 1882, Reg. nº 67, Salto, Uruguai). 


III-Venecia Abarno (*18/09/1882 (?) Salto, Uruguai - Registro Civil, Seção 1, Ata Casamentos Ano 1898, Reg. nº 3, Salto Uruguai /+16/12/1921 Cerro Picazo, Salto, Uruguai - Livro de Registro Civil, Óbitos, Uruguai, Salto, Ano 1921, Seção 6ª (Mata Ojo Grande), fl. 31, Ata nº 61) casou-se com Esteban Federico Siciliano (*07/06/1876 Montpellier, Hérault, França), comerciante, filho de Salvatore Siciliano (*Itália/+1886 Salto, Uruguai) e Ana Layne (*Itália/+1871 Itália), na data de 23/02/1898 em Salto, Uruguai. Esteban residia no 4º distrito do Departamento de Salto. Testemunhas de casamento: Carlos Ziegler e Francesco Del Priore (Registro Civil, Seção 1, Ata de Casamentos Ano 1898, Reg. nº 3, Salto Uruguai). O casamento religioso foi realizado na Igreja de Nuestra Señora del Carmen (Reg. nº 279). O casal residiu na Calle Uruguay, Salto (1901) e, após, na Calle Larrañaga, nº 77, na cidade de Salto, onde nasceu a filha Mercedes. 




Casa que pertenceu à Venecia Abarno e família na Calle Larrañaga, nº 77 (com a placa de vende-se), Salto, Uruguai – Imagem: Google Maps

O casal teve os filhos:

III-1-Federico Salvador Siciliano (*07/05/1899 Salto, Uruguai). Profissão: Comerciante;

III-2-Julio Siciliano Abarno (*03/06/1900 Valentin Grande, Salto, Uruguai), Comerciante, casado, residia na Calle Yaguarí (?) ou Yaguarón, nº 2.291 em Montevidéu. Viajou algumas vezes a negócios ao Rio de Janeiro e a São Paulo;


Julio Siciliano Abarno

III-3-Ana Maria Siciliano Abarno (*09/09/1901 Salto, Uruguai);

III-4-Eduardo Pedro Siciliano Abarno (*29/06/1903 Salto, Uruguai);

III-5-Mercedes Siciliano Abarno (*14/09/1904 Salto, Uruguai/+14/09/1904 Salto, Uruguai);

III-6-Atílio Victor Siciliano Abarno (*18/03/1910 Salto, Uruguai). 



IV-Feliciana Abarno (*10/12/1884 Quarai RS) recebeu este nome em homenagem à sua bisavó paterna, Feliciana Radici. Foi batizada em 27/02/1885, na Igreja de São João Batista de Quarai RS (Cúria Uruguaiana, Livro Batismos Quarai, nº 5, fl. 80 v). A confirmação de seu nascimento em Quarai veio com o registro de casamento no Uruguai, comprovando-se que Vitor ainda mantinha laços com a cidade de Quarai.

O avô Francesco Abarno havia retornado à Itália por determinado tempo, mas, no final de março de 1887, viajou de volta para a América em companhia da nora Angela Maria de Vico, casada com Nicola Abarno, e dos netos Mariantonia Abarno e Francescantonio Abarno, no navio Umberto I, que chegou a Buenos Aires na data de 01/05/1887. A nora e os netos se estabeleceram em Artigas, Uruguai. Francesco provavelmente tenha seguido para a cidade uruguaia de Salto.

Feliciana casou-se com Mario Amaro da Silva (*18/11/1876 Canguçu RS), na data de 03/09/1904 em Salto, Uruguai, fazendeiro, filho de Bernardino Amaro da Silva (*RS) e Amália Furtado (*RS). Testemunhas: Olívio Pereira e Ambrosio Laronda (Registro Civil, Seção 2, Ata de Casamentos Ano 1904, Reg. nº 20, Salto Uruguai). Mario residia com seus pais na Calle 25 de agosto, nº 37, na cidade de Salto. Depois de casados, o casal foi residir na Calle Uruguay, nº 181, nesta cidade. Tiveram pelo menos os filhos: 


IV-1-Osvaldo Victor Amaro Abarno (*15/06/1905 Salto, Uruguai);


IV-2-Maria Ofelia Amaro da Silva Abarno (*20/04/1907 Salto, Uruguai).





V-América Abarno (*27/09/1885 Quaraí RS/+Montevidéu, Uruguai) casou-se com Luis Felipe Dondo Iríbar, na data de 27/06/1909 em Salto, Uruguai, comerciante, filho de Bartolomeo Dondo (*1845/1846 Pietra Ligure, Liguria, Itália/+22/12/1906 Salto, Uruguai) e Maria Juana Iríbar (*1855 Salto, Uruguai).  Testemunhas: José Dondo e Mario Amaro da Silveira (Registro Civil, Seção 1, Ata de Casamentos Ano 1909, Reg. nº 18, Salto Uruguai). Luis residia na Calle Uruguay, nº 135. O casamento religioso foi realizado na Igreja de Nuestra Señora del Carmen (Reg. 512). O casal era residente na Calle Arapey, nº 224. América residia em Montevidéu e costumava visitar seus parentes, descendentes de Duílio Abarno, na cidade de Santa Fé, Argentina. O casal teve pelo menos um filho:


V-1-Luis María Dondo Abarno (*19/04/1910 Salto, Uruguai), casado, teve a filha María Rosa Dondo, casada com um periodista da América Central.



América Abarno




A residência de Bartolomeo Dondo (à porta), sogro de América Abarno - Salto, Uruguai


Café de Bartolomeo Dondo e de seus filhos, que continuaram no negócio - Salto, Uruguai




VI-Manuela Abarno (*12/05/1887 Salto, Uruguai/+25/11/1887 Salto, Uruguai) foi registrada pelo pai Vitor na data de 16/05/1887 no cartório desta cidade. Na época do nascimento de Manuela, Vitor residia com a família na Calle Cuareim, nº 62, em Salto, Uruguai, que era a casa dos sogros já falecidos (Registro Civil, Seção 1, Ata de Nascimentos Ano 1887, Reg. nº 166, Salto Uruguai). Faleceu em consequência de gastroenterite (Registro Civil, Seção 1, Ata de Óbitos Ano 1887, Reg. nº 425, Salto Uruguai);





VII-Duílio Fernando Abarno (*31/03/1888 Salto, Uruguai/+16/02/1971 Santa Fé, Argentina). Seu registro de nascimento não foi encontrado até o momento, e as informações que temos vêm de seus descendentes e do registro de óbito. Duílio substituiu o pai na Alfaiataria, quando este se aposentou. Foi estudar em Montevidéu, Uruguai, Ciências Contábeis e Leis. Depois, trabalhou na função de Contador ou Gerente da Empresa Shell, que propôs a sua transferência para a cidade de Concordia, Argentina, onde nasceu seu filho José Manuel Abarno. Casou-se em primeiras núpcias com Carolina Grantille, tendo os filhos:




Duílio Fernando Abarno
Carolina Grantille de Abarno























VII-1-José Manuel Abarno (*08/08/1918 Concordia, Província de Entre Rios, Argentina/+03/10/2002 Santa Fé, Argentina), Locutor Nacional, casou-se em primeiras núpcias com Isabel Sara Cocco (*Província de Entre Rios, Argentina/+17/07/1999 Santa Fé, Argentina), em 04/02/1945, tendo as filhas Sara Isabel Abarno e Viviana Sara Isabel Abarno, psicóloga, casada com José Luis Badía, psicólogo, pais de Alejandro José Badía Abarno. José Manuel casou-se em segundas núpcias com Francisca Juana Cosimi;  






Isabel Sara Cocco de Abarno
José Manuel Abarno























Viviana Abarno
José Luis Badía























Alejandro José Badía Abarno


VII-2-Fernando Abarno casou-se com Dora Ramonda, tendo os filhos Susana Abarno e Roberto Abarno; 



Fernando Abarno
Dora Ramonda de Abarno

























Susana Abarno
Roberto Abarno





















Ficando viúvo, Duílio casou-se em segundas núpcias com Nieve Gallimó, tendo o casal duas filhas: Argentina Abarno e Juana Abarno.




Duílio Fernando Abarno
Nieve Gallimó de Abarno 























VII-3-Argentina Abarno (Tita), falecida, casou-se com Mario Giromini Droz, residentes em Santa Fé, Argentina. Tiveram a filha Fabricia Giromini Abarno;



Argentina Abarno

VII-4-Juana Abarno (Puchi), casou-se em 1960, com Manuel Waisman Olmedo, residentes em Santa Fé, Argentina. Tiveram o filho Federico Waisman Abarno.



Juana Abarno





VIII-Maria Sofia Abarno (*14/04/1889 Salto, Uruguai/+29/01/1890 Salto, Uruguai) foi registrada no dia 16/04/1889, pelo pai Vitor na cidade de Salto. Na época de seu nascimento, a família residia na Calle Guaviyú, em Salto, conforme consta no seu registro de nascimento (Registro Civil, Seção 1, Ata de Nascimentos Ano 1889, Reg. nº 143). Faleceu em consequência de bronquite capilar (Registro Civil, Seção 1, Ata de Óbitos Ano 1890, Reg. nº 32, Salto Uruguai);



IX-Carlos Abarno (*30/05/1890 Salto, Uruguai/+06/06/1890 Salto, Uruguai) foi registrado por Vitor Abarno no dia de seu óbito na cidade de Salto (Registro Civil, Seção 1, Ata de Nascimentos Ano 1890, Reg. nº 181, Salto Uruguai). Faleceu por cianose cardíaca (Registro Civil, Seção 1, Ata de Óbitos Ano 1890, Reg. nº 197, Salto Uruguai). Nesta época a família ainda residia na Calle Guaviyú;



X-Romeo Abarno (*02/06/1891 Salto, Uruguai/+14/06/1891 Salto, Uruguai) foi registrado pelo pai Vitor em 06/06/1891 na cidade de Salto (Registro Civil, Seção 1, Ata de Nascimentos Ano 1891, Reg. nº 239). Faleceu em consequência de gastroenterite (Registro Civil, Seção 1, Ata de Óbitos Ano 1891, Reg. nº 140, Salto Uruguai). Nesta época a família continuava residindo na Calle Guaviyú;



XI-Carlos Abarno (*17/03/1893 Salto, Uruguai/+19/04/1893 Salto, Uruguai) foi registrado pelo pai na data de 23/03/1893, com o mesmo nome do filho falecido anteriormente (Registro Civil, Seção 1, Ata de Nascimentos Ano 1893, Tomo 1º, Reg. nº 64). Faleceu em consequência de atrepsia (Registro Civil, Seção 1, Ata de Óbitos Ano 1893, Reg. nº 93, Salto Uruguai). A família residia na Calle Dayman, s/nº;



XII-Francisco Abarno (*22/05/1894 Salto, Uruguai) foi registrado pelo pai Vitor na data de 28/05/1894 (Registro Civil, Seção 1, Ata de Nascimentos Ano 1894, Tomo 1º, Reg. nº 80). Na época de seu nascimento a família residia na Calle Cuareim, nº 91 (provável nova numeração da casa que era dos sogros) em Salto. Casou-se com Cosme Rosa Florinda Cremanti (*27/09/1897 Montevidéu, Uruguai), em 19/03/1921, em Montevidéu, Uruguai (Livro de Registro Civil, Casamentos, Uruguai, Montevidéu, Ano 1921, Seção 1ª, fl. 13 verso, Ata nº 26), filha de Vicente Cremanti e Florinda Raffo. Residiram na Calle 18 Julio, nº 871 (1921) e na Calle Eduardo Acevedo, nº 1.143, em Montevidéu, Uruguai (1925). Tiveram pelo menos uma filha:




XII-1-Nelly María Abarno Cremanti (*20/05/1925 Montevidéu, Uruguai), Procuradora, casou-se com o Sr. Marino, tendo pelo menos um filho, chamado Roberto Marino. Residia na Rua Gral. Fraga, nº 2.175 em Montevidéu, Uruguai. Viajou ao Brasil nas décadas de 1950 e 1960;


Nelly Maria Abarno Cremanti




XIII-Carmen Abarno (*16/07/1895 Salto, Uruguai/+17/01/1896 Salto, Uruguai) foi registrada por Vitor Abarno (Registro Civil, Seção 1, Ata de Nascimentos Ano 1895, Tomo 1º, Reg. nº 116). Faleceu em consequência de atrepsia (Registro Civil, Seção 1, Ata de Óbitos Ano 1896, Reg. nº 17, Salto Uruguai). No registro, o endereço que consta é a Calle Dayman, s/nº. O nome fornecido pelos declarantes do óbito era ‘Cármela’;



XIV-Maria Luisa Abarno (*19/08/1896 Salto, Uruguai/+30/08/1896 Salto, Uruguai) foi registrada por Vitor Abarno no dia 22/08/1896 na cidade de Salto (Registro Civil, Seção 2, Ata de Nascimentos Ano 1896, Reg. nº 218). Nesta época, a família Abarno residia na Calle Uruguay, nº 222, a rua principal de Salto. Este endereço situa-se nas proximidades do porto, que recebe embarcações do Rio da Prata. O registro de nascimento informa que o avô Francesco Abarno estava residindo na Itália. Francesco voltaria para a América somente em 06/07/1898, com 80 anos, como passageiro do navio Perseo, que atracou no porto de Buenos Aires. Por esta razão, ele pode ter falecido no Brasil ou no Uruguai, visto que o seu registro de óbito não foi encontrado. Maria Luisa faleceu em função de sua prematuridade (Registro Civil, Seção 2, Ata de Óbitos, Ano 1896, Reg. nº 151, Salto Uruguai);




Vitor Abarno residiu na Calle Uruguay, nº 217, na época do casamento da filha Venecia Abarno em 23/02/1898. Após, residiu no nº 199 desta rua na época do casamento da filha Feliciana Abarno em 03/09/1904. Alguns anos mais tarde, a família Abarno residia no nº 181 desta importante rua da cidade de Salto, conforme consta do registro de casamento da filha América Abarno no dia 27/06/1909, permanecendo neste endereço até pelo menos a época do casamento da filha Angela Maria Abarno em 24/04/1910. Obs.: os números são antigos e provavelmente foram alterados com o tempo; desta forma, os números podem se referir à mesma propriedade ou a outra(s) residência(s).



A Calle Uruguay na cidade de Salto


Depois de uma longa e a agitada jornada nos primeiros anos na América, “perché non sempre la sorte sorride a chi ha voglia di lavorare”, com a sua tenacidade e vontade de vencer, Vitor Abarno tornou-se proprietário de uma reconhecida alfaiataria, chamada Gran Sastrería Central, cujo endereço era Calle Uruguay nº 197 e nº 199 (onde residia). Como na maioria das declarações de óbitos dos filhos de Vitor foram declarantes o alfaiate (sastre) Miguel Abondet e o empregado Eduardo Guasch, presume-se que estes trabalhavam com Vitor na alfaiataria.


Anúncio (embaixo, à esquerda) da Gran Sastrería Central - Revista del Salto 04/02/1900




O livro Gli Italiani Residenti in Salto refere que as suas filhas, dotadas de bom gosto e elegância, possuíam o seu próprio negócio no ramo da moda, num local próximo à alfaiataria. Informa, ainda, que o filho mais velho, Duílio, seria o sucessor de Vitor, que contava com 18 anos naquele longínquo ano de 1906, e que se tornaria responsável pelo bom andamento da Casa, que tanto sacrifício havia custado ao pai. 



Casa de Tecidos - Início do Século XX


Alfaiataria (Sastreria) em Salto, no começo do Século XX


As últimas informações revelaram que Vitor Abarno tornou-se um hacendado (fazendeiro ou latifundiário), conforme o registro de nascimento do neto Victor Alfonso Marcos Quiñones Abarno (1916); além disso, ele e a esposa residiram na cidade de Concórdia, Argentina, nos Anos 1920, conforme consta nos registros de óbito da filha Venecia e no de casamento do filho Francisco. Ainda não foram encontradas as datas de falecimento do casal Abarno.


sexta-feira, 21 de dezembro de 2018

Família Abarno - Álbum de Família - Nicola Abarno


NICOLA ABARNO E ESPOSA ANGELA MARIA DE VICO

RAMO MARIA ANTONIA ABARNO CASADA COM LEONE DE BENEDETTO


Caettano De Benedetto (*04/05/1893 Quaraí RS/+17/04/1971 Porto Alegre RS?), filho de Maria Antonia Abarno e Leone De Benedetto e a esposa Dalmira Brites De Benedetto (*23/02/1892 Alegrete RS/+19/03/1966 Alegrete RS), filha de Salustiano Brites e Amélia Borges - Fotos: Lisete Göller



Caettano De Benedetto
Dalmira Brites De Benedetto






















Salustiano Brites De Benedetto (18/02/1927 Alegrete RS/+25/10/1951 Porto Alegre RS), filho de Caettano De Benedetto e Dalmira Brites De Benedetto – Foto: Lisete Göller


Salustiano Brites De Benedetto



Leão Brites Di Benedetto (*25/02/1929 Alegrete RS/+07/07/2005 Canoas RS), filho de Caettano De Benedetto e Dalmira Brites De Benedetto – Foto: Lisete Göller


Leão Brites De Benedetto



Victor Brites De Benedetto (*16/02/1931 Alegrete RS/+08/06/1953 Porto Alegre RS?), filho de Caettano De Benedetto e Dalmira Brites De Benedetto – Foto: Lisete Göller


Victor Brites De Benedetto



Alba De Benedetto (*07/07/1927 RS/+04/10/1984 RS), cuja relação de parentesco não foi encontrada até o momento – Foto: Lisete Göller


Alba De Benedetto


sexta-feira, 30 de novembro de 2018

Família Göller - Casas Antigas - Ramo José Göller


RAMO JOSÉ GÖLLER - FILHO DO IMIGRANTE JOHANN GÖLLER


Casa que pertenceu a José Göller, provavelmente até os anos 1930, localizada em Pareci Novo RS. Foto: Acervo de Ricardo Wagner


Casa que pertenceu a Jacob Göller Sobrinho, filho de José Göller, sendo vendida nos anos 1970, após o falecimento da viúva Idalina Schmitz Göller - Anos 1940, Pareci Novo RS. Foto: Acervo Pessoal


A casa de Jacob Göller Sobrinho, que era dividida em três partes, teria pertencido à família da esposa Idalina Schmitz, pois há uma foto dos membros da família Schmitz posando em frente à mesma e que nos parece ser idêntica.



Casa da família de Arlindo Wagner, esposo de Gerda Göller, neta de José Göller, na cidade de Venâncio Aires RS. Foto: Acervo de Ricardo Wagner


Casa onde residiu Lotta Göller, bisneta do imigrante Johann Göller e neta de José Göller, na Rua Américo Vespúcio, nº 215, que atualmente abriga uma casa comercial. A casa sofreu algumas modificações, conforme vemos abaixo, mas nota-se que o revestimento original foi conservado. Na foto (da esquerda para a direita) os tios de Lotta: Augusta, Ernesto Alfonso, Rosalina e Hilda Regina – Porto Alegre RS, 06/02/1960. Foto: Acervo de Linea Schuller Mosmann


Casa na Rua Américo Vespúcio - Porto Alegre RS - Imagem: Google Maps


Casa da Rua Américo Vespúcio - Porto Alegre RS - Imagem: Google Maps