Mensagem

As famílias constantes nos links Marcadores são as de meus antepassados em linha direta. Ao escolher alguma delas, e ler Todas as postagens que preencherão a página, observe que aparece um link no final da página do blog que leva às Postagens mais antigas, que remetem ao início da pesquisa.

segunda-feira, 4 de março de 2013

Família Dapper











A Origem do Sobrenome DAPPER


O sobrenome, conforme pesquisas, pode ter três origens diferentes: a germânica, a francesa e a holandesa. Na Alemanha, teria surgido em Hanover, a Capital da Baixa-Saxônia; na França, na região da Ille de France, onde se encontra a cidade de Paris e, na Holanda, a origem teria surgido na cidade de Enkhuizen, na Província da Holanda do Norte.

Porto de Enkhuizen - Holanda


O Brasão DO SOBRENOME DAPPER (ORIGEM GERMÂNICA)




As Origens


Elisabetha Dapper, nascida na cidade de Buch, era a esposa do genearca-imigrante Johann Peter Schmitz, que emigrou para o Brasil com a sua família. Johann Peter era natural de Mastershausen na Renânia-Palatinado. No passado, a Alemanha era um mosaico de inúmeros estados-membros do Santo Império Romano-Germânico. A região, hoje denominada de Renânia-Palatinado, assim como Saarland, foi ocupada pela França na ocupação napoleônica a partir de 1754, sendo dividida na data de 04/11/1797 em quatro departamentos: Roer, Sarre, Rhin-et-Moselle e Mont-Tonerre, sendo estes organizados em 23/01/1798. Oficialmente, estes departamentos foram integrados ao território francês em 09/03/1801.


Mastershausen e Buch situavam-se em Rhin-et-Moselle, cuja capital era Coblence ou Koblenz (no alemão). Em 1809, a sua população era de aproximadamente 250.000 habitantes. A partir de 20/11/1815, pelo Congresso de Viena, o Reino da Prússia absorveu os territórios ocupados pela França. O dialeto falado na região atesta a influência que recebeu deste país. Atualmente, a Renânia-Palatinado é um Estado da República Federal da Alemanha, cuja Capital é Mainz (ou Mogúncia). Assim sendo, Johann Peter, assim como a esposa Elisabetha Dapper, possuíam cidadania francesa de nascimento. O casal Schmitz teve seis filhos, porém estes nasceram quando a Renânia-Palatinado fazia parte da Prússia, sendo, portanto, cidadãos prussianos de nascimento. Somente a partir de 1815, Johann Peter e Elisabetha Schmitz foram considerados cidadãos prussianos.



A CIDADE DE BUCH





Buch é um município do Distrito de Kastellaun, no Hunsrück, no Rhein-Hunsrück-Kreis, na Renânia-Palatinado, na Alemanha. Possui uma superfície de 13,45 km², com 958 habitantes em 31/12/2006. A primeira menção documental da cidade é do ano de 1052.



A VIAGEM PARA O BRASIL



No livro da cidade de Mastershausen consta uma listagem de cidadãos de Mastershausen, que emigraram para o Brasil na data de 10/08/1846, ressalvando que vinham da localidade de Sosberg as famílias de Johann Peter Hoff e de Johann Peter Schmitz. A listagem é um extrato do registro paroquial do Padre Johann Peter Becker. Constam os nomes de Johann Peter Schmitz, Elisabetha Dapper, os filhos Nicolaus, casado com Anna Maria Schmitz, filha de Jacob Schmitz e Agnes Haeser, Johann Peter (filho), Gertrud, Anna Maria, casada com Matthias Meinerz e Elisabetha.


Saindo da Alemanha, a família Schmitz chegou ao Estado do Rio de Janeiro, lá permanecendo por algum tempo. Após, a família embarcou no brigue Triunfo, o qual aportou na cidade de Porto Alegre em 29/12/1846. Nos registros aparecem os nomes de Johann Peter, Elisabetha, Anna Maria, (Ana) Catharina, Johann Peter (filho) e Nicolau. A filha Elisabetha aparece mais abaixo na relação de passageiros. Não foram relacionados, por lapso, o que era relativamente comum, a filha Gertrudes e os cônjuges de Nicolau (Anna Maria Schmitz) e Anna Maria (Matthias Meinerz). Nesta mesma listagem, aparece a família Hoff, vizinhos dos Schmitz (Arquivo Histórico do Estado do Rio Grande do Sul – Códice C333, pg. 200). 


A família Schmitz residiu inicialmente na Picada Morro dos Bugres ou Bucherberg (Morro dos Imigrantes de Buch, que é a cidade de onde partiu a maioria dos imigrantes), atualmente uma localidade de Santa Maria do Herval no Rio Grande do Sul. No passado, esta localidade pertencia à antiga Linha Dois Irmãos. 



JOHANN PETER DAPPER


Johann Peter Dapper, meu pentavô, nasceu provavelmente no ano de 1743, possivelmente na cidade de Buch, distrito de Kastellaun, na Renânia-Palatinado na Alemanha. Sua religião era a Católica.



O PRIMEIRO CASAMENTO COM APPOLONIA RIES


Pelos registros da Igreja de Buch, Johann Peter teria se casado com Appolonia Ries, cujo matrimônio ocorreu em 07/02/1764. Deste matrimônio, teve sete filhos.



OS FILHOS



I-Anna Catharina Dapper (*05/05/1765 Buch, Renânia-Palatinado, Alemanha);


II-Nikolaus Dapper (*06/04/1768 Buch, Renânia-Palatinado, Alemanha);


III-Johann Dapper (*03/06/1770 Buch, Renânia-Palatinado, Alemanha);


IV-Peter Dapper (*26/01/1774 Buch, Renânia-Palatinado, Alemanha);


V-Johann Joseph Dapper (*04/05/1781 Buch, Renânia-Palatinado, Alemanha);


VI-Peter Dapper (*21/08/1783 Buch, Renânia-Palatinado, Alemanha);


VII-Peter Joseph Dapper (*21/08/1783 Buch, Renânia-Palatinado, Alemanha).



O CASAMENTO COM GERTRUDES PIERS


Tendo ficado viúvo de Appolonia Ries, casou-se em segundas núpcias com Gertrudes Piers (*1764 Alemanha/+Alemanha), em 12/09/1797, na Igreja Católica de Buch. Deste casamento, tiveram uma única filha que se tem registro.


A Igreja Católica de Buch

A FILHA


Elisabetha Dapper (*14/09/1800 Buch, Renânia-Palatinado, Alemanha/+06/05/1867 Morro dos Bugres – Santa Maria do Herval RS), minha tataravó, casou-se com Johann Peter Schmitz (*12/08/1802 Mastershausen, Renânia-Palatinado, Alemanha/+antes 18/05/1858 Morro dos Bugres – Santa Maria do Herval RS), filho de Jacob Schmitz e de Catharina Schmitz, na data de 01/06/1824, na Igreja Católica de Mastershausen. Obs.: no passado o Morro dos Bugres pertencia à antiga Linha Dois Irmãos RS. 

                                                         
O FALECIMENTO DE JOHANN PETER DAPPER


Não sabemos o local e a data de seu falecimento, mas presume-se que tenha sido na cidade de Buch.


ELISABETHA DAPPER

                                                 
Elisabeth Dapper, minha tataravó, filha de Johann Peter Dapper e Gertrudes Piers, nasceu em 14/09/1800, na cidade de Buch, distrito de Kastellaun, na Renânia-Palatinado na Alemanha. Foi batizada em 16/09/1800 na Igreja Católica de Buch.






A Igreja Católica de Buch


O CASAMENTO COM JOHANN PETER SCHMITZ


Elisabetha Dapper casou-se com Johann Peter Schmitz (*12/08/1802 Mastershausen, Renânia-Palatinado, Alemanha/+antes 18/05/1858 Morro dos Bugres – Santa Maria do Herval RS), filho de Jacob Schmitz e de Catharina Schmitz, na data de 01/06/1824, na Igreja Católica de Mastershausen.  

                                             

A Igreja Católica de Mastershausen


OS FILHOS (VER FAMÍLIA JOHANN PETER SCHMITZ)


I-Elisabetha Schmitz (*01/01/1825 Sosberg, Renânia-Palatinado, Alemanha/+28/09/1896 Tupandi RS – Cúria Metropolitana de Porto Alegre, Óbitos, Tupandi, Livro nº 1, pág. 28) casou-se com Peter Hartmann (*27/11/1824 Klobenz, Renânia-Palatinado, Alemanha/+08/07/1906 Hortêncio Velho - Bom Princípio RS), filho de Mathias Hartmann e de Maria Christina Hammes, entre os anos de 1846 e 1847. Foi sepultada no Cemitério de Tupandi RS. Residiam inicialmente na Colônia nº 59, Oeste, da antiga Linha Dois Irmãos, conforme recenseamento realizado entre os anos de 1847 a 1849. Peter Hartmann chegou a Porto Alegre com sua família em 15/11/1846, vindos do Rio de Janeiro no bergantim Pedro Segundo. O casal teve nove filhos;


II-Catharina Schmitz (*17/10/1826 Sosberg, Renânia-Palatinado, Alemanha/+RS) casou-se com Karl Friedrich Kartsch (*Danzig - Alemanha/+RS), filho de Mathias Kartsch e de Catharina Cherz, em 17/05/1855, São Leopoldo RS (Cúria Metropolitana de Porto Alegre, Casamentos, São Leopoldo, Livro nº 1, pág. 153). Residiram inicialmente em Morro dos Bugres RS e, após, em Tupandi RS. Tiveram pelo menos três filhos;


III-Anna Maria Schmitz (*12/10/1828 Sosberg, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Antes 1832 Sosberg, Renânia-Palatinado, Alemanha);


IV-Nicolau Schmitz (*18/11/1829 Sosberg, Renânia-Palatinado, Alemanha/+RS) era agricultor, casou-se com Anna Maria Schmitz (*19/04/1832 Mastershausen, Renânia-Palatinado, Alemanha/+RS), filha de Jacob Schmitz e de Agnes Haeser, por volta do ano de 1846, na Alemanha. Nicolau e sua família residiram inicialmente em Morro dos Bugres RS e, a partir de 1857, fixaram residência em Tupandi RS. Nicolau possuiu, até 04 de maio de 1867, 80 mil braças quadradas do Lote nº 84, Oeste, da Linha Dois Irmãos que corresponde à metade deste lote. A outra metade pertencia a José Ritter. Nesta data, vendeu as referidas terras a Mathias José Hansen, por 700 mil réis. Nicolau possuía também o Lote nº 113, Leste, da Linha Dois Irmãos, alguns km depois do Arroio Tapera (corresponde provavelmente às terras da atual cidade de Nova Petrópolis, na localidade de Pinhal Alto), vendendo, em 23 de janeiro de 1868, metade das terras, ou seja, 80.000 braças quadradas, a Guilherme Blauth, pela quantia de 300 mil réis. A outra metade, com 80.000 braças quadradas, foi vendida, na mesma data, a Pedro José Wickert, pela quantia de 250 mil réis. Este último faleceu na Picada Windhof, por esta razão acredita-se que o lote em que vivia situava-se nesta antiga localidade. O casal teve dez filhos; 


V-Anna Maria Schmitz (*12/07/1832 Sosberg, Renânia-Palatinado, Alemanha/+RS) casou-se com Mathias Meinerz (*Alemanha/+RS), filho de Mathias Meinerts (*1805 Alemanha/+05/05/1878 Wallachei – Morro Reuter RS) e Maria Susanna Hansen, na data de 28/02/1854, na cidade de Blankenrath. Mathias Meinerz comprou de José Ritter metade do Lote nº 84, Oeste, da Linha Dois Irmãos, com 80.000 braças quadradas em 17 de março de 1856, por 300 mil réis. Comprou, mais tarde, ¼ do Lote nº 85, Oeste, da mesma Linha, com 39.905 braças quadradas em 05 de agosto de 1858 de Johann Peter Bender, esposo de sua cunhada Gertrudes, por 375 mil réis. O casal teve pelo menos seis filhos, nascidos após a imigração;


VI-Elisabetha Margaretha Schmitz (*31/08/1834 Sosberg, Renânia-Palatinado, Alemanha/+Alemanha). Não imigrante. Falecida antes da imigração ou talvez tenha formado família na Alemanha;


VII-Johann Peter Schmitz Filho (*08/10/1836 Sosberg, Renânia-Palatinado, Alemanha/+RS) casou-se com Maria Anna Zimmer (*1840 Mörsdorf – Alemanha/+17/09/1883 Linha dos 40 Mártires – Nova Petrópolis RS), filha de Pedro Zimmer e de Elisabeth Born, em 31/08/1858, em Dois Irmãos RS (Cúria Metropolitana de Porto Alegre, Casamentos, Dois Irmãos, Livro nº 1, pág. 6 v). Os sogros de Johann Peter residiam no Lote nº 63 - B da antiga Linha Dois Irmãos. Pelos registros de nascimentos de seus filhos, Johann Peter Filho morou em Picada Herval e Jammerthal até meados de 1870 (Jammerthal foi povoado a partir de 1871 e atualmente faz parte do Município de Picada Café RS. Seu território corresponderia aos lotes de nº 90 ao nº 105 da antiga Linha Dois Irmãos). Os Zimmer chegaram a Porto Alegre no brigue barca Triunfo em 29/12/1846. Pedro Zimmer foi o associado nº 10 da Capela de São Francisco Xavier. Era agricultor. O casal teve nove filhos;


VIII-Gertrudes Schmitz (*21/02/1840 Sosberg, Renânia-Palatinado, Alemanha/+15/05/1915 Bom Princípio RS – Cúria Metropolitana de Porto Alegre, Óbitos, Bom Princípio, Livro nº 1, pág. 61 v) casou-se com Johann Peter Bender (*1836 Boel, Renânia-Palatinado, Alemanha/+09/12/1904 Gauereck – São José do Sul RS - Cúria Metropolitana de Porto Alegre, Óbitos. Montenegro, Livro nº 1, fl. 90 verso. Sepultado no Cemitério de Gauerecke), filho de Peter Bender e Maria Caspar, em 18/05/1852, em Dois Irmãos (Cúria Metropolitana de Porto Alegre, Casamentos, Dois Irmãos, Livro nº 1, pág. 3). Johann Peter residia no Lote nº 72, Oeste, da antiga Linha Dois Irmãos e possuía também o Lote nº 85, Oeste, da mesma Linha. Depois, venderam ¼ das terras deste lote a Mathias Meinerts em 05 de agosto de 1858. Johann Peter Bender chegou a Porto Alegre com sua família em 15/11/1846, vindos do Rio de Janeiro no bergantim Pedro Segundo. O casal teve dez filhos;



O LOCAL DE RESIDÊNCIA


A família Schmitz residia na antiga Linha Dois Irmãos, na localidade de Morro dos Bugres, que hoje faz parte do Município de Santa Maria do Herval. Johann Peter Schmitz e sua família fixaram residência no Lote nº 66 B, na Ala Leste, situado naquela localidade (Códice C 363, Livro nº 2, fl. 4, Arquivo Histórico do Rio Grande do Sul; Do Velho Mundo para o Bucherberg ou Bugerberg um Novo Mundo!!!, fl. 22).

Obs.: o Lote nº 66 A pertencia ao colono João Wingert.



Detalhe do mapa da antiga Linha Dois Irmãos (Morro dos Bugres) - Lote nº 66, Leste (obs.: a atual Capela de São Francisco Xavier situa-se na antiga área do Lote nº 82)




O FALECIMENTO DE ELISABETHA DAPPER




Elisabetha Dapper faleceu numa antiga localidade da Linha Dois Irmãos, a Picada Morro dos Bugres, na data de 06/05/1867, sendo sepultada no Cemitério desta Picada (Cúria Metropolitana, Óbitos, Dois Irmãos, Livro nº 2, pág. 5 v), que atualmente corresponde à cidade de Santa Maria do Herval. Johann Peter Schmitz faleceu antes de 18/05/1858, data do casamento de sua filha Gertrudes, na mesma cidade. Provavelmente ele tenha sido sepultado no mesmo cemitério, como a sua esposa. O Professor Johann Nikolaus Müssnich, que residia no Lote nº 67, Oeste, da Linha Dois Irmãos, em Morro dos Bugres, fazia também os enterros dos habitantes desta localidade até o ano de 1879.



Cemitério de Morro dos Bugres (ao lado da antiga Capela de São Francisco Xavier, que se situava no lado oposto da Capela atual)











Nenhum comentário:

Postar um comentário